participantes convidados

Alexandre Lobo da Cunha, Professor Catedrático do Departamento de Microscopia, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), Universidade do Porto.
Nasceu em Lisboa a 31 de Março de 1959, fez os estudos secundários no Liceu Nacional de S. João do Estoril e em 1982 concluiu a licenciatura em Biologia na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
Em Setembro de 1982 foi admitido para um lugar de Assistente Estagiário no Laboratório de Biologia Celular do ICBAS. Em Julho de 1992 realizou no ICBAS as provas de doutoramento em Ciências Biomédicas, na especialidade de Biologia Celular. A partir dessa data passou a ocupar o lugar de Professor Auxiliar, tendo obtido a nomeação definitiva em Junho de 1997. Em Agosto de 2000 passou à categoria de Professor Associado e em Fevereiro de 2004 obteve aprovação nas provas de Agregação em Biologia Aquática, realizadas no ICBAS. Em Outubro de 2009 passou à categoria de Professor Catedrático de Biologia Aquática.
Desde a entrada para o ICBAS, tem desenvolvido investigação sobre espécies aquáticas envolvendo, principalmente, estudos de microscopia ótica e eletrónica. Nos últimos anos tem-se dedicado em especial ao estudo de moluscos marinhos. Em resultado da investigação desenvolvida, é autor de 68 publicações em revistas internacionais.
Atualmente ocupa o cargo de Vice-Presidente do Conselho Científico do ICBAS, sendo também diretor de curso da licenciatura em Ciências do Meio Aquático. É regente de quatro unidades curriculares desta licenciatura e de uma unidade curricular do Mestrado Integrado em Bioengenharia. Orientou dissertações de Mestrado e teses de Doutoramento. É o responsável pelo Serviço de Microscopia Eletrónica do ICBAS. Pertence a equipa de investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) do Porto. Foi responsável pela organização de alguns encontros científicos nacionais e internacionais. É Presidente da Sociedade Portuguesa de Microscopia, eleito para o biénio 2016-17.

Arnaldo Videira é professor catedrático de genética molecular no ICBAS desde 2001. Licenciado em Biologia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Doutorado em Ciências Biomédicas pelo ICBAS, com trabalho experimental realizado na Universidade de Munique.
Tem interesses de investigação na área da Biologia Molecular, nomeadamente na caracterização de genes e proteínas envolvidos em diferentes processos celulares. Investigou complexos enzimáticos da cadeia respiratória da mitocôndria, o seu envolvimento na função, biogénese do organelo e bioenergética celular e a sua associação a doenças mitocondriais. Mais recentemente, investigou componentes e processos envolvidos na morte celular programada.
Foi convidado para apresentar mais de 30 conferências, a maioria em congressos ou universidades internacionais. Publicou mais de 70 artigos científicos em revistas internacionais, dezena e meia de capítulos de livros e um livro sobre engenharia genética.

Jorge Ascenção Oliveira, Doutorado em Farmacologia, é Investigador na REQUIMTE e Professor Auxiliar na Faculdade de Farmácia da U.Porto onde é membro da Direção, regente da UC Neurociência que fundou em 2012, e foi regente da UC Farmacologia-I (2007-2016). Os seus modelos de ensino de Farmacologia foram distinguidos pela Universidade do Porto com os prémios de Excelência Pedagógica (2013) e de Excelência em e-Learning (2009), e pela AEFFUP com 8 prémios anuais de melhor professor. Iniciou a sua investigação em mitocôndria no Centro de Neurociências da U.Coimbra e no Buck Institute (EUA). Atualmente, orienta Doutorandos e Pós-Doc na REQUIMTE/FFUP, e coordena Projetos de Investigação em colaboração com investigadores do Consortium for Mitochondrial Research (UCL), Mitochondrial Biology Unit (MRC-Cambridge), e Wellcome Trust Centre for Mitochondrial Research, onde participa no ensino do Mestrado em Mitochondrial Biology & Medicine. Os seus interesses de investigação incluem a modulação farmacológica da dinâmica e bioenergética mitocondrial, como potencial estratégia terapêutica em doenças neurodegenerativas.

Jorge Sequeiros. Lic. Medicina (FMUP, 1975); doutor. Genética (ICBAS-UP, 1990); post-doc fellow, Johns Hopkins Hosp. (1982-85); especialista, Medicina Interna e Genética Médica (1987).
Professor Catedrático, ICBAS, UP; Diretor, UnIGENe e CGPP, IBMC/i3S, UP; Coordenador, ORPHANET-Portugal.
Foi: Membro, CNECV; Presidente, Com. Ética da UP; Presidente, Com. Genética Médica (DGS); Fundador e Presidente, Col. Genética Médica (Ordem Médicos); Presidente, SPGH; steering groups, “Quality Assurance and Proficiency for Mol. Genet. Testing”, “Pharmacogenetics” e “Hum. Genet. Res. Databases” (OCDE), e “Genetic Testing” (EC); Organizer, EQA para ataxias dominantes (Eur. Molec. Genet. Quality Network); steering committee, NoE EuroGentest; Membro, Board e “Public and Professional Policies Comm.” e “Education Comm.” (ESHG).

José Augusto Pereira é um bioquímico especializado em métodos instrumentais de análise e modelos físicos para sistemas bioquímicos. Lecciona (ICBAS, U.Porto) descrições da física para o fluxo e a conversão da energia na mitocôndria. Interessa-se por epistemologia.

Marco G. Alves. Licenciado em Biologia pela Universidade de Aveiro, realizou estágio no ICBAS (2005). Doutorou-se em Bioquímica, especialidade de Bioenergética, pela Universidade de Coimbra (2011) e realizou Pós-Doutoramento na Universidade da Beira Interior (2016). Apresenta um percurso que representa o estado atual da ciência: bolseiro de projeto, bolseiro de doutoramento, bolseiro de pós-doutoramento e Investigador FCT, desde Novembro de 2016 no ICBAS. É Investigador Principal de um projeto financiado pela FCT (2016-2019) e supervisiona vários investigadores em pós-doutoramento, estudantes doutoramento e estudantes de mestrado. Apresenta no seu currículo 96 artigos publicados em revistas internacionais com arbitragem, incluindo Nature Reviews Urology, Trends Endocrinology & Metabolism, Critical Reviews in Biochemistry and Molecular Biology e várias Biochimica et Biophysica Acta. Dedica-se ainda a trabalho Editorial em várias revistas científicas internacionais. Fascinado pela conversão de energia e vias metabólicas, assim como pelo “milagre” da propagação da espécie, o seu trabalho tem-se focado maioritariamente no metabolismo celular, bioenergética mitocondrial e bioquímica da Andrologia, numa perspetiva translacional. O controlo que as hormonas sexuais e outras relacionadas com doenças metabólicas exercem sobre esses processos tem sido também foco da sua investigação. Mais recentemente tem-se dedicado a estudar vias de sinalização responsáveis pelo controlo da biogénese, fissão e fusão mitocondrial e a relevância desses processos na espermatogénese e saúde reprodutiva masculina. Apresenta várias colaborações nacionais e internacionais, em que, a título de exemplo, avalia o impacto de poluentes em girinos e células de cancro, sempre contribuindo para um maior conhecimento dos processos metabólicos e atividade mitocondrial nessas células, órgãos e organismo.

Maria da Conceição Santos Silva Rangel Gonçalves é Professora Associada com Agregação no ICBAS. Obteve o grau de licenciatura em Química em 1978, o grau de doutor em Ciências Biomédicas em 1989 e o título de agregado em Ciências Biomédicas em 2011, pela Universidade do Porto.
Tem sido responsável de unidades curriculares de Química Biológica, Termodinâmica, Química Biofísica, bem como Análise Estrutural. Adicionalmente tem sido orientadora de estudantes de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento. Presentemente é Co-Directora do Mestrado Integrado em Bioengenharia.
Maria Rangel tem trabalhado em Química Bioinorgânica com especialização em Química Inorgânica e Química-Física. Possui uma vasta experiência em Química de Coordenação e Espectroscopia. Os seus interesses científicos estão focados no papel dos iões metálicos nos organismos vivos e mais recentemente tem trabalhado no desenho de quelantes de ferro para: a) novas estratégias na luta contra infecções através de privação de ferro; b) tratamento de excesso de ferro; c) detecção de ferro. Os interesses na Biologia do Ferro têm levado a estender a sua actividade a problemas de nutrição de plantas.
É investigadora principal de vários projectos multidisciplinares e tem experiência de coordenação de equipas desenvolvendo investigação nas interfaces da química e biologia.
É a responsável pelos Laboratórios de NMR e EPR da Universidade do Porto.

Milaydis Sosa Napolskij formou-se na Universidade de Havana, Cuba, como Tradutora e Intérprete de Língua Inglesa em 2000. Obteve o grau de Especialista em Terminologia e Tradução em 2004 pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e actualmente é aluno do 3º Ciclo em Ciência da Linguagem da mesma Faculdade. Trabalha no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto. No âmbito profissional, tem participado em vários eventos científicos e académicos como intérprete e assistente e, mais recentemente, atuou de forma esporádica como revisora linguística e tradutor. Seu projeto de doutoramento tem como objetivo estudar a influência de línguas nativas, como o português e o espanhol europeus no inglês produzido por investigadores autores de artigos científicos originais no campo das ciências da vida e da saúde.

Orfeu Bertolami. Nasceu em São Paulo, Brasil, em 1959. Licenciado em Física pela Universidade de São Paulo em 1980, obteve o mestrado no Instituto de Física Teórica em São Paulo em 1983, o Grau Avançado em Matemática na Universidade de Cambridge no Reino Unido em 1984 e o doutoramento em física teórica na Universidade de Oxford em 1987.
Desenvolveu actividades de investigação no Institut für Theoretische Physik em Heidelberg, Alemanha, no Centro Europeu de Investigação Nuclear (CERN) em Genebra, na secção de Turim do Istituto Nazionale de Fisica Nucleare e na Universidade de Nova Iorque. Foi, de 1991 a 2010, professor no Departamento de Física do Instituto Superior Técnico e é actualmente Professor Catedrático no Departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Publicou cerca 300 artigos científicos, em livros, jornais, actas de conferências, 180 dos quais cerca em revistas especializadas nas áreas da astrofísica, cosmologia, física e propulsão espacial, gravitação clássica e quântica, e em teorias de cordas.
Já apresentou cerca de seis dezenas de palestras convidadas em conferências internacionais e mais de duas centenas de seminários especializados em universidades e centros de investigação na Europa, Rússia, Coreia do Sul, China, Japão, Brasil, Argentina, Chile e nos Estados Unidos. Tem participado em actividades de divulgação apresentando muitas dezenas de palestras sobre temas como a unificação das interacções fundamentais da natureza, o Big Bang, a estrutura em larga escala do Universo, as explosões de raios gama, a origem da vida, ciência e literatura, a vida e a obra de Albert Einstein e Galileo.
Foi galardoado com o terceiro prémio da Gravity Research Foundation dos Estados Unidos em 1999, com o Prémio União Latina de Ciência em 2001, o Prémio Universidade Técnica de Lisboa/Santander Totta de excelência científica nas áreas de Biofísica e Física em 2007, e com a menção “Outstanding Referee” da American Physical Society em 2013. Colabora em projectos internacionais sobre a matéria e a energia escura e física fundamental no espaço. Foi membro do Galileo Science Advisory Committee da Agência Espacial Europeia de 2008 a 2013.
É autor do “Livro das Escolhas Cósmicas”, publicado pela Gradiva em 2006, uma narrativa da história da física do Universo da antiguidade até os nossos dias É co-autor, com Martin Tajmar, do texto sobre um putativo controle da gravitação, publicado pela Agência Espacial Europeia em 2002, é co-autor e co-organizador do livro “Do Big Bang ao Homem” e do livro texto “Seis Breves Apontamentos de Cosmologia Contemporânea” em co-autoria com Jorge Páramos, ambos publicados em 2016 pela Editora da Universidade do Porto.

Rodolfo Jorge é licenciado em Bioquímica pela Universidade do Porto e aluno do Mestrado em Bioquímica na mesma instituição. No último ano de licenciatura desenvolveu, no âmbito do programa de estágios Blue Young Talent (BYT) do CIIMAR, um projeto de investigação nas áreas de ecotoxicologia e biologia molecular, tendo sido distinguido com o “Prémio de Melhor Estágio BYT”. Dado o interesse por áreas tradicionalmente associadas às humanidades, frequentou, no âmbito da sua licenciatura, unidades curriculares na Faculdade de Letras nas áreas da Filosofia das Ciências e História Contemporânea. No presente, encontra-se a desenvolver um estágio na Faculdade de Ciências (REQUIMTE) nas áreas de microbiologia e propriedades biofísicas de membranas, mantendo os seus interesses na porosidade das fronteiras entre os diferentes domínios de conhecimento e por questões relacionadas com o diálogo ciências-humanidades.

Susana Silva, Doutora em Sociologia (Universidade do Porto, 2008), é Investigadora Principal no Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e Professora Auxiliar Convidada na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Membro da Direção do ISPUP desde 2015, coordena o Departamento de Saúde e Sociedade e o grupo de investigação em Epidemiologia Social (EPIUnit – Unidade de Investigação em Epidemiologia). Desenvolve investigação na área dos Estudos Sociais sobre Ciência, Saúde e Sociedade, com especial interesse e atividade no âmbito das tecnologias reprodutivas e genéticas (regulação, ética e usos sociais), das relações entre utilizadores e profissionais de saúde e determinantes sociais de saúde. CV disponível em:
www.degois.pt/visualizador/curriculum.jsp?key=6294429156420903

Vítor Costa é licenciado em Bioquímica pela Universidade do Porto (UP) e doutorado em Ciências Biomédicas pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), UP. Atualmente, é Professor Associado do ICBAS, onde lecciona Bioquímica e Sinalização Molecular, e líder de grupo no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), UP. Os estudos realizados no seu grupo focam nos mecanismos e vias de sinalização que controlam processos celulares como a função mitocondrial, a homeostasia redox, a autofagia e respostas a stress, e como a desregulação dessas vias afeta o envelhecimento e a morte celular no contexto de doenças neurodegenerativas.

Advertisements